terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Poema de uma babense

(Babe) Sapeira (Verão de emoção)



Via-te, mas não te olhava...

Perdoa-me.

Hoje nao te vejo

mas olho-te

Intensamente.

Como não podia ver teu carinho?

Talvez por tź-lo constantemente.

Agora que te vejo de quando em vez

Reparo em tudo que tudo me deste.

Valores, costumes que eu tento

Preservar.

Tu , és as minhas origens

Quando subo o caminho que

Me leva a ti

Fico emocionada.

Teus castanheiros em flor

Ah!... é lindo...

Tuas giestas dão-me sorrisos

Seráque sćo de boas vindas?

O cantar do cuco

O chilrear do passarinho

E eu, subo a "serra" a

Olhar-te

Ver-te

Amar-te

E sinto que foste o meu ninho.


.

M. Alzira Marrão Lisboa,1989

1 comentário:

Anónimo disse...

Puxa, Terê,
fostes tão profundamente comovente no teu poema que metaforicamente digo-te que subi a serra contigo a ouvir o cantos dos pássaros, a encantar-me com os castanheiros em flor...
Beijos
Gracilene Pinto

PS. Não sei porque não estou conseguindo entrar no teu Doce Terê...