terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Ser de Babe

Acordar e ver como está o tempo; respirar e sentir o cheiro a ar puro; abrir a porta e desejar a extinção das moscas; olhar para o chão e ver uma bosta de vaca; estar a varrer as escadas e alguém perguntar “Então que andas a fazer?”.
Poder andar no meio da rua, dizer bom dia a toda a gente por quem se passa; dizerem-te no mesmo dia “estás mais magra” e “estás mais gorda”; falar alto e conhecer os primos segundos, terceiros, quartos, quintos…
Chegar a casa e a bosta ter as marcas de um pneu que a espalhou pelo chão; fazer lume, assar carne e cozer batatas.
Andar ao fresco quando a noite é bonita; ter uma mãe que sussurra, mas alto e toda a gente ouve.
Ter chouriço e salpicão sempre à espera de serem comidos com um cibo de pão; ter GNR’s na família; ter uma tia ou avó que usa lenço, xaile e se veste de preto e que também é hipocondríaca.
Vestir roupa bonita ao Domingo ir de manhã à missa e não passar a tarde em casa; gostar de música pimba; ter família no estrangeiro, no Porto e em Lisboa que vem ao Natal, à Páscoa e em Agosto.

E se no fim de lerem isto pensarem Bô mas isto é Babe”, então eu fiz um bom trabalho.

Inês

10 comentários:

MT disse...

Cara Inês...fizeste mesmo um bom trabalho. Parabéns. Conseguiste transmitir com realidade o que eu ainda não tinha conseguido. Força para qq dia termos um livro teu de pequenas crónicas. Beijitos MT

MT disse...

Não queres pôr título ao teu trabalho? Assina tb sff dentro do post. Obrigada. MT

pedro disse...

É, de facto, muito daquilo que eu penso que é o "ser de Babe". O genuíno, a realidade, o conhecer e falar, cheirar e tocar, mesmo nas pessoas, coisa que se vai perdendo na sociedade actual. É bom ainda existirem estes cantos de oxigénio, onde podemos ser como somos, e se não gostarem... CARAI, mais uma chouriça a assar e resolve-se.
Continua assim, com esta escrita/percepção, que vais longe.

Beijinho!!!

Anónimo disse...

Ser tudo isso mesmo...!

Anónimo disse...

.....ter muitas moto 4 roncar com elas na de madrugada com crianças ao volante......
.......ter vaidade em excesso......
.......em coisas descabidas.......
,,,,,,,tambem e ser de BABE!!!!!!!!

maria alzira disse...

E CHEGAR E REPARAR NA ARVORE QUE CAI
ACHAR FALTA DO QUE DESAPARECEU.....
DO QUE MUDOU ...E FOI MUITO.
BEIJINHO INES

MT disse...

Chegar e ir ao café Marrão ou ao Lombada tb é ser Babe!

MT disse...

Perguntar se o Chico Veiga está por lá tb e ser Babe...Foste o anónimo ou não das moto4, ninão?

MT disse...

Ser de Babe digo, "SER BABE"é o jornal local.

Anónimo disse...

Oh, cara Inês, pelo visto português, filho de português, ou neto de português, em Portugal ou fora dele, pelo visto é tudo a mesma coisa, porque esta Babe que descreves também poderia ser a minha pequenina São Vicente, encravada nas planícies da Baixada do Maranhão, no Norte do Brasil, mas colonizada por portugueses do Norte, e onde não falta nada disto que descrevestes cá, nem mesmo os sussuros em alta voz das tias ou as bostas de vaca no terreiro... rsrsrs
Beijo
Gracilene Pinto