sábado, 29 de dezembro de 2007

Vi a minha Lombada

Vi a minha Lombada.
Coberta de neve fria.
Com brancura de pasmar
Ai como eu a sentia!

Como se fosse ao vivo
E não só pela televisão.
Fiquei cheia de saudade
De quando a pegava à mão!

Jogava com os amigos.
E de neve bonecos fazia
Eram dias diferentes...
Naquela região bem fria.

Nos gelos de cada Inverno
No tempo da minha infância.
A contrastar com o calor...
Do Verão e da festança.

Que muita vez se fazia.
Animando toda a aldeia.
Era música e bailarico.
Mesmo à luz da candeia.

Mas a neve de agora.
Mesmo vista na distância.
Deu-me alento e saudade.
Desse tempo da infância.
.
Maria Teresa

4 comentários:

Mª Alzira disse...

AINDA BEM QUE EXISTES PARA NOS BRINDAR COM TANTA EMOÇAO TUDO QUE LI SAO MELODIAS IMORTAIS.
BEIJOS ZIRA

MT disse...

Obrigada amiga linda!

Bjs tb Tere

MT disse...

SE MELODIAS SÃO saem bem de dentro de minha sensibilidade. Sobre a imortalidade já duvido...Obrigada pelo comentário.

Mª Alzira disse...

A sensibilidade e a minha jóia preciosa .
Guardo, cuido, uso.
Sei entrega-la tao delicada pena que por vezes não saibam cuida-la.
MªAlzira